quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

PROTESTOS MUSICAIS 2




Fiz essa coluna para comparar as músicas de protesto de décadas atrás com a realidade de hoje.

Estava nos meus planos falar sobre uma música do Chico Buarque a pedido da minha amiga Silmes, que também tem um blog e é leitora assídua aqui, mas eis que de repente lembrei de mais uma música da Legião Urbana e vi uma ligação direta com a votação da PLN 36, a da malandragem fiscal.

Ficou um pouco extenso o texto, mas acho que vale a pena ler. A música é METAL CONTRA AS NUVENS, gravada em 1991 (23 anos atrás) com letra do Renato Russo. Adaptei a interpretação aos fatos vividos esta semana, mas o teor da música te dá inúmeras interpretações, uma verdadeira obra de arte.

METAL CONTRA AS NUVENS



Não sou escravo de ninguém
Ninguém, senhor do meu domínio
Sei o que devo defender
E por valor eu tenho e temo 
O que agora se desfaz

Aí é a fala da parte antenada da nação. A consciência que ainda existe, de quem sabe como é difícil conseguir as coisas, de quem valoriza o esforço e não se rende aos leviatãs. E que também prevê a incerteza do futuro, temendo a nova tendência destrutiva para qual estamos sendo levados. São todos que não confiam no atual PT, e que pararam pra ver a vergonha que foi a aprovação do Projeto de Lei do Congresso Nacional nº 36, a PLN da maracutaia, a da malandragem orçamentária.

Viajamos sete léguas
Por entre abismos e florestas
Por Deus, nunca me vi tão só
É a própria fé o que destrói
Esses são dias desleais

Viajamos muito mais do que sete léguas... enfrentamos uma ditadura militar. Lutamos por eleições diretas. Derrubamos um presidente (mais ou menos, né, já que hoje ele é senador). Condenamos os réus do mensalão. Neste momento, há essa luta para condenador todos os culpados pela destruição parcial da Petrobrás.

E depois de tanta porrada, acho que não só eu como muito brasileiro consciente sente-se só. Como lutar agora?! O Congresso está comprado, quem está no poder faz o que quiser. Isolaram os poucos progressistas, mediocrizaram o pensamento racional em troca do assistencialismo. Em troca de uma fé cega, aliás, uma fé que tem que ser cega mesmo, porque se o povo quisesse enxergar seria diferente. É melhor dar comida e um dinheiro pra cachaça do que investir em educação. Pão e circo - voltamos a Roma. Esses são dias desleais, não é mesmo?!

Eu sou metal, raio relâmpago e trovão
Eu sou metal, eu sou o ouro em seu brasão
Eu sou metal, me sabe o sopro do dragão

Temos que ser metal. Temos que ser frios, duros e resistentes. Tem que haver uma resistência. Temos que ficar revoltados contra esse ultraje que vivemos e cair como um raio, relâmpago ou um trovão em cima desse PT, que quer nos destruir.
Nos sabe o sopro do dragão sim. É nada menos do que a presidente Dilma Roussef quando lança um decreto leviano, atrelado a uma PLN estelionatária, isso no sentido literal. No sentido figurado, o sopro do Dragão é a Dilma soprando mesmo. kkkk

Reconheço meu pesar
Quando tudo é traição
O que venho encontrar
É a virtude em outras mãos

Temos que ter consciência e reconhecer que temos força pra mudar as coisas. Cada um de nós tem força pra mudar tudo isso que está aí.
A bancada de oposição ao governo tentou de verdade acabar com esse desalento. Até as seis da manhã, houve luta. No meio da bagunça em que se tornou o Congresso, havia homens defendendo a legitimidade das Leis, defendendo as bandeiras constitucionais. Tentando fazer a diferença onde tudo era traição. Infelizmente não conseguiram apoio, a virtude estava morta...
Minha terra é a terra que é minha
Sempre será
Minha terra tem a lua tem estrelas
Sempre terá

Quase acreditei na sua promessa
E o que vejo é fome e destruição
Perdi a minha cela e a minha espada
Perdi o meu castelo e minha princesa

Quase acreditei 
Quase acreditei
E por honras, se existir verdade
Existem os tolos e existe o ladrão

E há quem se alimente do que é roubo
Mas vou guardar o meu tesouro 
Caso você esteja Mentindo

Olha o sopro do dragão...

Nossa terra é o Brasil e sempre será. É o motivo da nossa luta.

Quase acreditamos em Lula. Eu, pelo menos, quase acreditei. E perdemos muito com isso. Perdemos nosso castelo, nosso reduto de força. Depois veio a Dilma, e cortou nossas forças. Perdemos nossa espada - não existe ideologia política disseminada, não existe juventude ativa politicamente, principalmente quando o PT meio que matou a UNE. O que há é o escambo eleitoral. Dar assistencialismo em troca de voto.

Existem os tolos e existe o ladrão. Os tolos somos nós, e os ladrões são eles. Simplesmente isso.

É a verdade que assombra
O descaso que condena
A estupidez o que destrói
Eu vejo tudo que se foi
E o que não existe mais

Tenho os sentidos já dormentes
O corpo quer a alma entende
Essa é a terra de ninguém, eu sei que devo resistir
Eu quero a espada em minhas mãos

Não me entrego sem lutar
Tenho ainda coração
Não aprendi a me render
Que caia o inimigo então

Essa é a parte principal. Literalmente, é a verdade que assombra. A verdade que está aí. Leia e releia essas duas estrofes. Veja como Renato Russo colocou perfeitamente a realidade que vivemos hoje, agora mesmo.

A verdade assombra nosso futuro, depois da violação da meta fiscal atrelada ao decreto do suborno. O descaso da população em relação a política condena todo mundo a ser governado por estes facínoras. A estupides dessa massa de manobra que está aí elegendo o PT tem destruído nossa democracia.

Com tantas porradas, tanta mentira, tanta pilantragem, já ficamos anestesiados com a pouca vergonha. Nada nos surpreende - sentidos dormentes.

E por mais que esteja essa bagunça toda, temos que resistir, temos que tomar o controle de volta. Temos que atacar. Temos que lutar, temos que ter força. Não podemos nunca nos render até que essa zona acabe. Até a queda do inimigo. Até que se desfaça o PT.

E nossa história
Não estará pelo avesso assim
Sem final feliz
Teremos coisas bonitas pra contar

E até lá 
Vamos viver
Temos muito ainda por fazer
Não olhe pra trás
Apenas começamos
O mundo começa agora

Apenas começamos

Essa última parte fala da esperança que nos faz lutar. É a força que temos que ter para vencer. A esperança que vai fazer tudo valer a pena. A esperança é o motor que nos impulsiona as conquistas. Temos que mantê-la e não olhar pra trás. E tentar conciliar os desafios do dia-a-dia com o pensamento político. Vivendo e buscando o melhor, buscando a verdade.

Temos mais 4 anos de luta pela frente. Apenas começamos.

4 comentários:

  1. Ficou show de bola sua versão explicativa e comparativa.
    Eu gostei mesmo. rsrs
    Mas lembrando que Paulo Roberto Costa disse uma frase que todos tem de fazer força de não esquecer.
    “Isso aconteceu em todos os governos. Todos! Com todos os diretores da Petrobras. Se não tivesse apoio político, não chegava a diretor. Isso é fato”
    Só que o PT é a bola da vez neh?
    Boa noite Bruno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O PT é um câncer, Silmes! kkkk Mas o pior é que o que o Paulo Roberto Costa disse é uma realidade. Tudo dentro de política é desenrolo, encaixe. Pra isso é que servem os cargos de confiança, pra pagar favor político. E a gente fica por aqui, observando essa sacanagem...

      Beijo, Silmes!

      Excluir
  2. Parabéns Bruno pelo seu cantinho.
    Sucesso amigo.

    ResponderExcluir